Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marcos Resende Coisas

Marcos Resende Coisas

Coisas de Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade 02.jpg


Índice Poema
 ◦ Índice Geral
 

01.
Os cacos da vida, colados, formam uma estranha xícara.
Sem uso,
ela nos espia do aparador.

02.
Science Fiction
O marciano encontrou-me na rua
e teve medo de minha impossibilidade humana.
Como pode existir, pensou consigo, um ser
que no existir põe tamanha anulação de existência?
Afastou-se o marciano, e persegui-o
Precisava dele como de um testemunho.
Mas, recusando o colóquio, desintegrou-se
no ar constelado de problemas.
E fiquei só em mim de mim ausente.

03.
Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela.
Não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.

04.
Lembrança do Mundo Antigo

Clara passeava no jardim com as crianças.
O céu era verde sobre o gramado,
a  água era dourada sob as pontes,
o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,
o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era tranqüilo em redor de Clara.

Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.
Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,
esperava cartas que custavam a chegar,
nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava no jardim, pela manhã!!!
Havia jardins, havia manhãs naquele tempo!!!

05.
Era uma vez um czar naturalista
que caçava homens.
Quando lhe disseram que também se caçam borboletas e andorinhas,
ficou muito espantado
e achou uma barbaridade.

06.
Alguns anos vivi em Itabira
principalmente nasci em Itabira.
A vontade de amar, que me paralisa o trabalho
vem de Itabira, de suas noites brancas,
sem mulheres e sem horizontes. 

07.
Vontade garota de voar, de amar, de ser feliz...
Vontade de tirar retrato com aquela moça, de praticar libidinagem, de ser infeliz e rezar.
Muitas vontades... A moça nem desconfiou
Entrou pela porta da igreja... saiu pela porta dos sonhos.

08.
Provisoriamente não cantaremos o amor.
cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
Cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas
o medo dos soldados, o medo das mães...

09.
Por isso sou triste, orgulhoso; de ferro!
Tive ouro, tive gado, tive fazendas,
Hoje sou funcionário público.
Itabira é‚ apenas um retrato na parede
mas como doi. 

10.
Não serei o poeta de um mundo caduco
também não cantarei o mundo futuro.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

11.
Teus ombros suportam o mundo;
mais vasto é o meu coração.

12.
A bomba é uma flor de pânico apavorando os floricultores.
A bomba é uma inflamação no ventre da primavera.
A bomba é um cisco no olho da vida - e não sai.
A bomba saboreia a morte com marshmallow.

13.
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

14.
A dançarina espanhola de Montes Claros
dança e redança na sala mestiça.
Tem um sinal de bala na coxa direita,
o riso postiço de um dente de ouro,
mas é linda, linda, gorda e satisfeita.

15.
Perdi o bonde e a esperança.
Volto pálido para casa.

16.
Deus me abandonou
no meio da orgia
entre uma baiana e uma egípcia. 

17.
Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está  vendo:
hoje beija, amanhã não beija.

18.
Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

19.
O poeta municipal
discute com o poeta estadual
qual deles é capaz de bater o poeta federal.
Enquanto isso o poeta federal
tira ouro do nariz.

20.
No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra

21.
Do lado esquerdo carrego meus mortos.
Por isso caminho um pouco de banda.

 

Carlos Drummond de Andrade 03.jpg

 

Índice Poema ◦ Índice Geral